R. Mozart Calheiro, 645, Dourados - MS (67) 99949-9078

Não importa a idade ou o condicionamento. A bike está na moda e ajuda a afugentar a gordura e problemas de saúde. É hora de tirar máximo proveito dela com muita segurança

 Não é preciso ser um grande observador para perceber como as bikes estão conquistando as ruas Brasil afora. Há pessoas que as adotaram como meio de transporte, famílias que se divertem em cima do selim no final de semana e ainda uma porção de gente que pedala só para manter a forma. O motivo não interessa tanto. A ciência apoia esse modismo pra lá de saudável. Um estudo recente do Instituto do Coração de São Paulo, o Incor, revela que os indivíduos que suam na magrela por uma hora mais de três vezes por semana conseguem baixar o colesterol cinco vezes mais rápido que os sedentários. Não à toa, os ciclistas estão menos sujeitos a infartos e derrames. Quem anda de bicicleta também espanta a fadiga e a depressão. É que o esporte, quando praticado regularmente, aumenta o número de mitocôndrias, estruturas cruciais ao bom funcionamento celular. Quando as células aproveitam direito a energia, o corpo e a mente ganham disposição. Para desfrutar dos benefícios, no entanto, é imprescindível tomar alguns cuidados. “A atividade deve ser adaptada às necessidades e limitações e a intensidade precisa ser adequada para evitar lesões”, orienta o fisiologista Paulo Zogaib, da Universidade Federal de São Paulo.

Antes de montar na bicicleta, é importante lembrar que ela precisa estar de acordo com o seu corpo. Encontrar essa sinergia é algo facilitado pelo bikefit, uma avaliação para acertar na postura. Ela é disponibilizada por algumas clínicas e lojas esportivas. “Medimos os ângulos dos joelhos, cotovelos e coluna e levamos em conta esses dados mais o histórico do ciclista”, explica a ortopedista esportiva Kelly Stéfani, de São Paulo. “É preciso respeitar a biomecânica de cada corpo. Simples mudanças no selim ou no guidão podem trazer grandes repercussões”, argumenta seu colega de especialidade Marcelo Filardi, da capital paulista.

 Os primeiros modelos de bicicleta foram esboçados em 1790, mas o formato que triunfou foi dado por um ferreiro escocês em 1839. Não se esqueça de equipar a bike com lanterna traseira e farol na frente

Mesmo quem resiste a pedalar nas ruas pode tirar vantagem do esporte em ambiente fechado. “Na academia, o ideal é começar na bicicleta ergométrica e, conforme se ganha condicionamento, avançar”, diz Zogaib. Ou seja, partir para as aulas de spinning. A intensidade do exercício – e isso se aplica a andar ao ar livre – varia com os objetivos. Treinos intervalados, que alternam pedaladas lentas e aceleradas, são a pedida para os que desejam emagrecer. Agora, nunca abuse, sob o risco de ficar com dores pelo corpo e se lesionar. Quem pedala com consciência, sobretudo pelas avenidas, tem na parceira de duas rodas uma aliada que nunca sai de moda.

Conheça seus limites

Dois exames indicam o valor exato da frequência cardíaca máxima e ainda alertam para doenças

Ergométrico É prescrito para os iniciantes. Numa esteira, eletrodos verificam como o coração reage ao esforço e flagram indícios de encrencas.

Ergoespirométrico É para quem já treina. Parece o ergométrico, mas conta com uma máscara que capta o oxigênio. Descobre dados essenciais para montar o treino com segurança.

 Por um passeio seguro: equipamentos e truques para pedalar sem riscos e bikes para todos os gostos

Capacete Evita a principal causa de morte entre ciclistas, o traumatismo craniano.

Óculos de sol Protegem os olhos contra os raios solares e a poeira do asfalto.

Mochila Não vale exagerar no peso. É útil para carregar uma muda de roupa e um lanche.

Bermuda almofadada Aplaca o desconforto na virilha e no bumbum durante o passeio.

Frequencímetro É indicado para medir os batimentos cardíacos e dosar a intensidade.

Tênis Os iniciantes podem usar os de academia, com sola mais fina. Os experientes usufruem melhor das sapatilhas.

Selim Para as mulheres, que têm a região da bacia mais larga, o banco deve ter a base ampla e a ponta mais curta e larga. O selim dos homens pode ser mais comprido e estreito.

Pedais Há modelos como o de encaixe, em que uma mola é presa ao pé do ciclista; o plataforma, mais tradicional; e o estilo presilha, que mantém o pé grudado ali.

Pneus Seu desenho e suas saliências variam em função do terreno onde se pedala. Estradas pedregosas, por exemplo, exigem pneus com saliências maiores.

Squeeze É o grande aliado contra a desidratação. Dê um belo gole a cada 20 minutos. Vale água mineral, isotônico ou água de coco.

Posição dos braços O ideal é mantê-los semiflexionados para suportar o impacto do terreno.

Posição das pernas Elas não devem se esticar muito quando o pedal é empurrado para baixo. O joelho tem de ficar flexionado levemente.

Para evitar cãibras Mantenha o pé paralelo ao solo e evite forçar o calcanhar para baixo nas subidas. Assim, os músculos não são sobrecarregados.

De velocidade Trata-se do modelo predominante entre os ciclistas que mantêm uma rotina de treino. Apesar de não ser confortável por causa do selim estreito, tende a oferecer resultados melhores, tanto na performance quanto na redução da gordura corporal.

Dobrável É o tipo perfeito para quem trabalha na cidade grande e faz o percurso até o escritório na bike. A maioria pesa cerca de 10 quilos e, além de leve, é bastante confortável. Com a vantagem de poder ser dobrada, é claro, o que facilita viagens dentro de trens e metrôs.

Na academia Há a bicicleta ergométrica, que pode ter ou não apoio para as costas e costuma ser a porta de entrada para o ciclismo. E existem os modelos para aulas indoor, como spinning, modalidade feita em grupo que costuma ser acompanhada de música e alternar ritmos leves e intensos.

Pedalar emagrece Para perder peso, é preciso ficar de olho nos batimentos cardíacos. Acima você vê a equação que dá o valor aproximado da frequência cardíaca máxima (FCM), base para calcular seu ritmo na bike. Um exemplo: caso o resultado seja 190, o ideal para queimar gordura é manter a frequência acima de 60% dessa marca, ou seja, 114 bpm (batimentos por minuto).

 

Fonte: http://saude.abril.com.br/emagrece-brasil/saude-duas-rodas-bicicleta.shtml

 

0